chester's blog

technology, travel, comics, books, math, web, software and random thoughts

Bikeboy: Alternativa Ao Motoboy

| Comments

Motocicleta é um lance polêmico: muita gente troca o carro pela moto para tentar fugir ao caos do trânsito, mas há implicações no que diz respeito a segurança e ecologia (esse último ponto é o motivador do phase out da minha Honda Biz, que hoje é o “plano D” de transporte para a faculdade – quando ônibus, trem ou taxi não são viáveis – e muda de dono no final do ano).

O paulistano não precisa de estatística para perceber que a maioria dos motociclistas da cidade não usam a moto como meio de transporte ou para fins esportivos, e sim como meio de sustento, através da profissão de motofrete – ou, como é popularmente conhecida, de motoboy. Desta forma, buscar uma alternativa ao uso desse serviço é o próximo passo lógico para quem pensa em reduzir a poluição na cidade.

Neste contexto surgem os bikeboys ou biciboys, organizados em empresas que oferecem este serviço de forma equivalente ao prestado pelas suas contrapartes baseadas em motoboys. O Willian Cruz tem um excelente post no Vá de Bike, no qual ele mostra não só a cobertura que a imprensa já fez deste tipo de serviço, mas também lista telefones e websites de várias empresas que o prestam.

Tive uma experiência positiva com a Bike Courier – apesar de não poder combinar o serviço por e-mail ou pelo website (o que seria um tremendo diferencial – eu daria total preferência para alguém que permitisse passar endereços, horários e todos esses detalhes sem ser por telefone), fui muito bem atendido.

O preço varia conforme a distância percorrida (empresas de motoboy variam nesse ponto: a que eu mais usava cobrava um valor fixo pela hora do motociclista), mas no pior dos casos empata com o custo do equivalente motorizado (até onde pude verificar). O tempo é bem razoável – tirando entregas ultra mega urgentes (as quais tem lá o seu grau de incerteza com motoboys, especialmente terceirizados), você pode contar com o mesmo tipo de prazo que espera de um motoboy.

Uma atitude insignificante? Talvez. Mas vale, nem que seja pelo simbolismo – se mais pessoas souberem que você usa e fizerem o mesmo, isso pode mudar o quadro de poluição na cidade.

Comments