chester's blog

technology, travel, comics, books, math, web, software and random thoughts

Chester Em Curitiba

| Comments

Mais uma vez apelei para o velho truque de transformar o transtorno de voltar de uma viagem a trabalho numa sexta-feira em um passeio de final de semana de baixo custo. Os curitibanos se orgulham de morar em uma cidade que alia qualidade de vida a comodidades urbanas, e resolvi passar o sábado conferindo, aproveitando as dicas da Bani, que sempre tem um mapinha turístico no fundo do armário.

Jardim Botânico em Curitiba

Fiquei no Hotel Confiance, que oferece um ótimo custo/benefício, destacando a internet sem fio de qualidade e o café da manhã amigável a vegetarianos. Um despretensioso folheto no quarto listava os restaurantes próximos por tipo de culinária e dava dicas de como chegar em lugares-chave, tais como a parada do Aeroporto Executivo, um transporte rápido (~30min), confortável (ar condicionado, poltronas espaçosas) e barato (R$ 8) até o Afonso Pena. Excelente alternativa ao táxi.

A mesma parada (na Rua 24 Horas) permite pegar a Linha Turismo, que facilita o passeio. São ônibus de dois andares – sendo que o de cima fica aberto quando o tempo está bom – num trajeto que cobre cerca de vinte e cinco pontos turísticos. Por R$ 20 (pagos diretamente no ônibus) você tem direito a 4 reembarques – o que permite visitar até seis locais se você coordenar a chegada e a saída com locais próximos ao hotel e/ou aeroporto.

Comecei pelo o Jardim Botânico, que é um dos mais populares (há quem passe o dia todo relaxando lá) e segui para a Ópera de Arame. Esta é um teatro/casa de shows bonito, e um exemplo interessante de reaproveitamento de espaço (era uma pedreira ou algo assim), mas deve ser bem mais interessante com um show rolando.

O terceiro ponto foi o Bosque do Alemão. Nele, o desembarque é em local diferente do embarque, e isso tem um motivo: após passar pelo Oratório de Bach e pela Torre dos Filósofos (que não impressionam muito) você desce uma escada de madeira e vai parar em uma trilha. Trata-se de um passeio temático baseado na história de João e Maria, contada através de ilustrações sobre azulejos! No meio do caminho (e da história) aparece a Casa da Bruxa – uma biblioteca infantil na qual eu passaria umas horinhas facilmente. Alguns azulejos estão faltando, mas isso não tira o brilho do passeio.

Fechei o turismo com a Torre Panorâmica – uma torre de telefonia adaptada para oferecer uma vista de vários pontos da cidade, por apenas R$ 3. É uma pena que o elevador suporta apenas meia dúzia de pessoas por vez, gerando uma grande fila. Eles pegaram emprestado um truque da Disney: a primeira parte da fila (quando você compra o ingresso) é adornada por uma exposição de telecom que mostra mesas de operação e aparelhos antigos – se tivesse o mesmo na fila do elevador seria perfeito.

O chato é que o ônibus que teoricamente passa a cada meia hora atrasou um bocado na segunda e na quarta parada, inviabilizando a visita ao Museu Ferroviário e me fazendo perder o jantar e o vôo – ainda bem que tinha outro logo em seguida. Uma pena, já que este jantar teria sido muito facilitado pelas dicas do @anderson_santos (via @van_vegan) – em particular a lista de lugares vegetarianos em Curitiba feita pela @mayraccastro. Com ela estarei mais preparado na próxima, e agradeço a todos pela solidariedade via Twitter – indispensável para um vegetariano em terra de churrascarias.

Eu repetiria o passeio facilmente – são muitos pontos, e realmente só dá pra ver uma meia dúzia ao longo de um dia. Numa próxima eu incluiria o bairro Santa Felicidade (que tive a oportunidade de conhecer através do gentil convite de um colega de lá), os outros bosques e museus. É bastante coisa pra ver e fotografar, garantindo um final de semana bacana, sozinho ou acompanhado.

Comments