chester's blog

technology, travel, comics, books, math, web, software and random thoughts

Quadrinhos No iPad

| Comments

FoxTrot sobre iPad e Quadrinhos (c) Bill Amend http://www.foxtrot.comResisti bastante à idéia de comprar um tablet. A inevitável comparação com o netbook mostra duas coisas que fazem falta: um teclado de verdade (indispensável para quem produz conteúdo) e a liberdade para usar os softwares que eu quiser. Mas fui seduzido pela novidade e, principalmente, pelo tempo generoso de bateria (algo muito útil em eventos de TI) e comprei um iPad 2 na minha última viagem. Claro que uma das primeiras coisas que eu quis tentar com ele foi ler quadrinhos – a tela e a resolução pareciam ideais para o formato.

Uma pesquisa rápida mostra que o comiXology é a maneira mais eficiente de fazer isso. Mais do que um aplicativo (cujo nome na App Store, “Comics”, já demonstra o pioneirismo), ele é o canal oficial de publicação das principais editoras norte-americanas. Através do aplicativo você pode comprar quadrinhos da Marvel, DC e Image. A loja virtual tem muitos lançamentos simultâneos com as edições em papel (a DC em particular está apostando nisso) e outros tantos com algum atraso, mas o mais interessante é poder revisitar coleções antigas: eu me empolguei com Lanterna Verde e fui desde clássicos do Dennis O’Neil até a excelente releitura do Geoff Johns.

Existe material grátis, mas os gibis normalmente custam em torno de US$ 2 (debitados na mesma conta que você usa para comprar apps). Há muitas promoções, e vale a pena ficar de olho na newsletter dos caras – lançamento de filme, por exemplo, é sempre acompanhado por descontos generosos nos quadrinhos relacionados. Eles ficam vinculados à sua conta, podendo ser baixados novamente caso você troque de dispositivo (e até em mais de um deles), como acontece, por exemplo, com o Kindle da Amazon. Em termos de qualidade, o iPad permite ver bem uma página inteira em 99% das vezes, e quando isso não ocorre você pode dar zoom ou usar o Guided View, um sistema originalmente pensado para dispositivos menores que mostra os quadrinhos em zoom, na ordem em que você leria. É uma boa, por exemplo, em páginas duplas (é possível girar o aparelho, mas eu acho pouco prático e perde-se um tantinho de resolução).

O comiXology é a app/loja mais popular, mas está longe de ser a única. O Comics+, por exemplo, licencia alguns outros títulos da Image, tem coisas da Top Cow e também Archie Comics a preços atrativos. Um lance curioso nele foi ver alguns volumes de PvP, que surgiu como webcomic mas lançou várias edições em papel, e estas foram parar no Comics+. E a editora IDW produziu um aplicativo próprio, o IDW Comics, que não pode faltar no seu aparelho por oferecer clássicos como Tank Girl e Rocketeer, bem como uma série de quadrinhos licenciados de franquias como CSI, Castlevania, Ghostbusters e tantas outras – não li quase nenhum desses, mas é um material que seria difícil conseguir aqui, mesmo importando. Nos dois casos, a compra e o armazenamento funcionam da mesma forma: via loja da Apple, vinculando ao seu usuário.

Claro que todas essas plataformas têm um custo (além do monetário): o uso de DRM (Digital Rights Management). Este tipo de tecnologia tem por objetivo evitar a pirataria e garantir que os autores sejam remunerados – o que é razoável e desejável – além de algumas conveniências como poder apagar os quadrinhos já lidos e baixar em outros dispositivos. O problema é que você fica nas mãos do publisher: eles podem, a qualquer momento, apagar um quadrinho que teoricamente era seu (já aconteceu com livros no Kindle), e se eles encerrarem as atividades, ou se você migrar para uma plataforma não-suportada, vai ficar a ver navios (como quase rolou com quem tinha músicas em dispositivos com tecnologia PlayForSure – os caras voltaram atrás, mas o risco está lá).

Eu honestamente acredito que o bem maior de manter viável a indústria (cujas crises no mundo real rivalizam aquelas que repaginam os super-heróis de tempos em tempos) justifica o DRM neste caso, mas entendo os riscos (e sei que tem gente séria preocupada com a questão). Se o DRM for impensável para você, a solução pode estar em obter quadrinhos no formato .cbr, para o qual existem diversos programas de visualização. Eu experimentei o ComicZeal, que por US$ 7,99 permite transferir os arquivos .cbr e ler no dispositivo de forma muito semelhante ao que os outros programas fazem com seus formatos proprietários. Existe uma infinidade de quadrinhos neste formato, mas sejamos honestos: baixar quadrinhos sem recompensar o autor é pirataria. Se você tem o quadrinho original, até vá lá, mas a real é que quase todo mundo baixa material que não comprou, ou seja, o autor não vê um centavo. Eu não aprovo.

E até agora eu só falei de quadrinhos estrangeiros – mas isso é porque os nacionais têm pouca presença no setor. Me surpreendi ao encontrar o aplicativo Digibi, que se propõe a disponibilizar quadrinhos de autores que vão dos “tradicionais” Angeli, Laerte, Glauco e Fernando Gonsales até gente mais nova como o genial Raphael Salimena. Infelizmente não pude fazer uma avaliação mais profunda, pois o aplicativo não funcionou muito bem no meu iPad. Na real, ele nem foi pensado para o aparelho – é um aplicativo de iPhone/iPod Touch que roda em zoom. E me preocupa o fato de as tiras aparecerem sem qualquer menção a um modelo comercial viável – eu gosto de conteúdo grátis tanto quanto qualquer um, mas é preciso remunerar o autor, e se a app não levar isso em conta, pode ser prejudicial no longo prazo. Mas é esperar pra ver o que as novas versões podem oferecer.

Espero que este relato ajude quem estiver considerando um iPad para ler quadrinhos, ou quem já tem um a (re)descobrir os mesmos – como aconteceu comigo. É bom lembrar que o iPad não é o único tablet do mercado, e eu (que não sou exatamente da Igreja do Mac) acredito que qualquer aparelho com resolução e formato/peso comparáveis se saia igualmente bem, em particular se tiver um sistema operacional com suporte bom. O Android parece ser a alternativa mais razoável: o comiXology está disponível para ele, o IDW sai em breve e eu tenho certeza que não faltam bons leitores do formato cdr. Seja qual for a plataforma, tablets realmente são bons para ler quadrinhos – se vão substituir o papel por completo ou não já é outra história, mas, pela minha experiência, qualquer fanático pela nona arte deve considerar um aparelho destes no seu arsenal.

Comments