chester's blog

technology, travel, comics, books, math, web, software and random thoughts

Reforçando o tapete de dança

04 Jun 2004 | Comments

Agora que ando tendo um tempinho para jogar Dance Dance Revolution, resolvi dar uma mexida no meu tapete, colocando uma base de madeira e uma camada de espuma. A idéia não é minha, vi várias pessoas na internet mostrando como fazer. Nada mais justo que fotografar e relatar a minha experiência também.

Araci de almeida lá, lálálálá-lálá…

04 Jun 2004 | Comments

o homem do baúLevy Fioriti, para encurtar, é um especialista em Sílvio Santos. O cara até já trabalhou no programa de rádio do Lombardi. Esta dedicação o levou a colecionar uma quantidade invejável de mídia (áudio, vídeo, reportagens) sobre o assunto, e ele disponibilizou na sua Página do Sílvio Santos.

É diversão garantida para qualquer um que não tenha impedimentos filosóficos contra esse tipo de coisa. Destaque para a música “incantarolável” do peão da Casa Própria, e para os jingles veiculados.

A maior palavra da língua inglesa

25 May 2004 | Comments

Wikipedia é um vício. Ela remete aos tempos clássicos da web, onde a gente passava o tempo todo lendo textos pouco ilustrados, mas forrados de links, e passeava de um para outro até esquecer o que veio procurar. Hoje eu me dei conta disso quando estudava a maior palavra da língua inglesa – um assunto aparentemente mais controverso que o nosso anticonstitucionalissimamente</a>.

Microsoft Bob

21 May 2004 | Comments

Brincando na pouco conhecida página do Google de buscas MS, acabei encontrando este excelente documentário sobre o Microsoft Bob. Vale a pena perder uma meia hora aqui estudando um dos mais interessantes cases de produto perdedor da história. Foi fracasso comparável, talvez, ao IBM PCjr ou à introdução da Cherry Coke no Brasil.

Para quem não conhece, o Bob era uma tentativa da Microsoft de criar uma interface amigável para o Windows 3.1/95, que acompanhasse programas de produtividade pessoal (agenda, controle de finanças, etc.). As telas era a coisa mais kitsch do planeta – era impossível fazer algo de útil sem se distrair com a poluição visual – isto é, se você tivesse máquina sobrando para toda a pirotecnia.

Aparentemente a MS dedicou bastante energia ao assunto, pois o Bob deixou sua marca em todo lugar. A herança mais nefasta são os infames Assistentes do Office. O site mapeia os personagens que permaneceram nos produtos atuais e também mostra resquiços do Bob no MSN Messenger e outros softwares modernos.

É pra ajudar no dever de casa…

14 May 2004 | Comments

Sir Clive Sinclair (acho) dando as caras no clip de Hey Hey 16KÀ medida que a Geração Nintendo vai atravessando a casa dos 20 anos, sua produção cultural começa a aparecer. A revista Wired de fevereiro documentou uma excursão com o Minibosses, banda que se dedica a fazer remakes de músicas dos jogos do Nintendinho. Esse tipo de “banda de console” tem se popularizado – existem até as nacionais, como o Megadriver (cujo site tem todos os MP3).

Isso tudo já é meio carne-de-vaca, mas eu me surpreendi ao descobrir que, pra variar, os ingleses tinham algo a dizer: M.J. Hibbett & The Validators é um grupo britânico que, ao invés de recriar a glória MIDI dos consoles, se dedica aos micros ingleses de 8 bits (e a assuntos correlatos, como mostra a letra de Programming Is A Poetry For Our Time).

O site disponibiliza MP3 e vende os CDs (que, a £10 pesam um pouco, mas estou considerando). Está circulando um videoclip em flash da música Hey Hey 16K – na qual a banda se diverte com o “conflito de gerações”: os pais ingleses não gostavam da idéia de videogames, mas, pensando no potencial educativo, compravam os micrinhos – que acabavam sendo usados para jogos em 99% do tempo. O flash nem é tão interessante, mas é uma excelente apresentação da banda.

O clube da mentira

04 May 2004 | Comments

Segundo este artigo do Wired News, os gringos criaram uma comunidade que te ajuda a bolar desculpas para sair do trabalho cedo, dar um cambão num encontro, enfim, a contar aquelas mentiras brancas que mantêm o mundo girando.

Ainda no tema, o artigo menciona um software que simula barulho de trânsito, tempestades, enfim, todas as desculpas necessárias para encerrar a ligação.Fico imaginando o que a criatividade brazuca vai fazer quando essas coisas chegarem aqui.

Videos amadores Stone Age Scanners

03 May 2004 | Comments

Isso era pra ser um negócio nosso, eu fico até constrangido de ver na web, mas já ia ser digitalizado mesmo, então chutamos os baldes: eis os famigerados Videos Amadores Stone Age Scanners. Assista por conta e risco próprios.

Afinal, alguém tem que preencher a lacuna do falecido Pepa Filmes (cuja página não mostra mais os filmes). Não que a turma do Garret, grande amigo, não esteja tentando…

Plotter feito de sucata

03 May 2004 | Comments

detalhe do plotterEm 1970 e guaraná-com-rolha, os drives de disquete eram caríssimos, em grande parte por usarem componentes (chips) customizados. Steve Wozniak, o inventor do Apple II, usou de alguma criatividade para transferir parte do trabalho do hardware para o software, e montou um drive com componentes de varejo.

Pulamos para 2004, e achamos um cidadão brasileiro que precisava de um plotter. Para quem não conhece, plotter é uma espécie de impressora que literalmente desenha à caneta sobre o papel, muito utilizado em engenharia. Este tipo de equipamento normalmente é caríssimo: além de ser produzido em baixa escala, utiliza uma mecânica muito específica para movimentar a caneta sobre o papel.

No melhor estilo Woz, o cara acabou construindo seu próprio plotter usando sucata de impressoras. Novamente, o software teve que ser mais esperto, mas um holandês entrou na parada e resolveu. Ainda estou de queixo caído.

Receita para um nerd morrer feliz

17 Apr 2004 | Comments

aiminhanossasinhorameupadimciço - zilhões de micros antigosComo se não bastasse a perspectiva de sexo nos trens para possuidores de aparelhos com BlueTooth, a Inglaterra acena como nova terra prometida dos nerds com essa: um britânico que está vendendo a mais imponente, massiva, monstruosa e jamais sonhada coleção de micros antigos da face da terra.

Curiosamente, neste momento o preço do leilão está em £660, muito próximo dos mais apropriados £666 que este este maldito causador de inveja inspira. Dá uns R$ 3.500, o que é uma fortuna, mas chega até a ser justo – afinal, é diversão até o final da vida. De qualquer forma, o cara infelizmente (ou felizmente, já que uma compra dessas acaba com qualquer casamento) exige retirada no local.

Não que o custo de correio, mais impostos e explicações na alfândega (até onde sei não se pode importar bens usados assim) já não inivabilizassem. Ai, minha Santa Ifigênia, valei-me!

Como ou não como

14 Apr 2004 | Comments

placa de motel, usada como logotipo da comunidadeSe eu fosse falar de todos os fenômenos sociais que eu presenciei em algumas semanas no Orkut, o tema iria certamente monopolizar este espaço. Mas eu ainda não consegui me recompor da visita à comunidade Como Ou Não Como (tem que ser membro do Orkut para entrar).

O fórum reproduz no mundo virtual o que é possivelmente uma das conversas mais comuns no meio masculino: a classificação da viabilidade, enquanto parceira sexual, de qualquer mulher que vier à cabeça. No caso, partiu-se para o minimalismo: cada tópico é aberto com a proposição de uma pessoa (geralmente mulher e participante do Orkut), e as pessoas respondem com as auto-explicativas opções “como” e “não como”.

Qualquer esperança de rebelião por parte do meu lado anti-sexista cai por terra ao verificar o quanto o jogo é levado na esportiva – invariavelmente, as moças avaliadas acabam participando da conversa (o que quase nunca acontece no mundo real). Num misto de lisonja e estupefato, se conformam de que “homem é tudo igual mesmo”, e levam numa boa.

A sacada, claro, tinha que vir de uma mente superior: o MrManson do Cocadaboa.

Curiosidade: eventualmente alguém tenta colocar homens na brincadeira, mas nunca vinga. Pelo jeito, o gene da falta de pudor só existe na população masculina (ao menos no mundo hetero).