chester's blog

technology, travel, comics, books, math, web, software and random thoughts

Macanudo

16 Sep 2004 | Comments

clique para ver uma tira do MacanudoTive a oportunidade de conhecer o trabalho do argentino Ricardo Liniers Siri graças a um amigo que gentilmente me emprestou a coletânea Macanudo de Liniers, No. 1.

É uma das tiras mais agradáveis que li nos últimos tempos – tanto pelo desenho quanto pelas histórias e seus personagens inspirados, tais como “O senhor que traduz os títulos dos filmes estrangeiros” (e seu dicionário com todas as setenta e seis palavras do idioma nacional) até “Z-25, o robô sensível”. Isso sem falar nos duendes e pinguins – nunca imaginei o quanto essses dois grupos se prestavam ao questionamento existencial e sociológico.

Infelizmente a coletânea é difícil de achar por aqui (embora eu esteja a fim de tentar esse site). E mesmo assim só existe em castelhano – o que não é uma barreira, mas afasta leitores casuais. Uma dica: o jornal argentino La Nación publica a tira diariamente, e permite recebê-la por e-mail. Basta clicar em registrarse, e, na última tela, procurar por Liniers na seção “Humor” (também estão disponíveis Maitena e outros, tudo grátis como a Internet deve ser).

Ensaio Sobre a Cegueira (e uma espetada no Alan Moore)

09 Sep 2004 | Comments

Já que confesso os filmes que assisto tardiamente, aproveito para mencionar Ensaio Sobre a Cegueira, que só li agora.Sem grandes pretensões, este relato de uma cidade na qual vários habitantes são acometidos de uma cegueira misteriosa é interessante e justifica a leitura.

O autor é criticado por seu estilo que substitui os diálogos por longos parágrafos onde o narrador assume o “tom” de quem está falando.Não tive problemas com isso – ou, ao menos, não foram nada comparados aos que eu tive com o chatérrimo Voz do Fogo, que usa um artifício semelhante para tentar colocar o leitor dentro da cabeça de um homem das cavernas mentalmente debilitado. Este livro me levou a dois sacrilégios: falar mal do autor (Alan Moore) e parar de ler um livro antes do final.

Lua de fel

04 Sep 2004 | Comments

cartaz do filme Lua de Fel, versão alemãNão sei o que me atraiu desta vez. Posso estar influenciado pela falta de filmes interessantes, pela maneira com que ele chegou a mim ou até mesmo pela relevância pessoal das questões abordadas. O que sei é que ainda estou encantado com Lua de Fel, filme lançado em 1992, mas que só vim a assistir no último feriado.

O diretor (Roman Polansky) trabalha temas diversos, girando principalmente em torno de relacionamentos que se esgotam, seja pela falta ou pelo excesso de ardor. O mais importante é que ele o faz fugindo dos lugares-comuns do gênero, e, principalmente, sem a previsibilidade e as lições de moral que invariavelmente estragam qualquer tentativa de abordar tais assuntos com seriedade.

É difícil falar muito sem estragar surpresas. Além disso, não quero privar ninguém do prazer que eu tive ao assisti-lo sem saber nada a respeito. Desta forma, vou apenas deixar como referência de algo que muito me agradou – o que, em se tratando de filmes, não tem sido fácil ultimamente.

Apenas um comentário: o título me pareceu uma daquelas armações pseudo-marqueteiras que tentam associar qualquer lançamento a algum sucesso recente – cito, como exemplo, O Vingador do Futuro e O Exterminador do Futuro, nos quais o “Futuro” pulou do roteiro para o título numa provável tentativa de capitalizar sobre algum outro filme, talvez De Volta para o Futuro (único dos três cujo título original menciona o futuro).

Felizmente foi engano meu: o filme é uma co-produção anglo-francesa, e embora o nome em inglês seja Bitter Moon, a distribuidora nacional fez a feliz opção pelo nome em francês (Lunes de Fiel), já que este também é o nome do livro que deu origem ao filme.

Asperger, a vida, o universo e tudo mais

04 Sep 2004 | Comments

capa de O Estranho Caso do Cachorro MortoNunca me decepcionei com as resenhas de livros do Joel Spolsky. Mas o assunto costuma ser o processo de desenvolvimento de software, o que me deixou supreso ao ler seu comentário a respeito de O Estranho Caso do Cachorro Morto (bem, talvez nem tão surpreso assim, já que ele é o único outro desenvolvedor que eu conheço que cita Gilmore Girls do nada).

O narrador/personagem principal é um jovem portador da Síndrome de Asperger, uma forma muito particular de autismo cujos sintomas incluem uma dificuldade em interpretar linguagem corporal e facial – geralmente sem prejuízo da capacidade intelectual. O ponto de partida é sua tentativa de encontrar o assassino do tal cachorro, o que o leva a descobertas muito mais comprometedoras sobre a vizinhança que o cerca.

Tal descrição pode dar a falsa ilusão de que é apenas mais um drama ou romance policial, mas o livro vai muito além disso. É um convite a conhecer o mundo através de uma nova ótica – tão racional que desconhece a metáfora e é incapaz de recorrer à mentira. Uma visão objetiva, mas não desprovida de sentimentos, que analisa uma simples viagem de metrô e a mais complexa crise conjugal com o mesmo rigor científico, numa tentativa diligente de encontrar ordem no caos que nós chamamos de mundo.

capa de O Guia do Mochileiro Das GaláxiasO Guia do Mochileiro das Galáxias é um clássico da ficção científica, meio antigo até, mas cuja edição nacional é recente. Já não leio este gênero há um bom tempo, mas valeu a pena abrir uma exceção, pois o livro é realmente fantástico. Não dá pra falar muito sem estragar surpresas, mas basta dizer que, ao contrário da maioria dos autores de FC (que se levam mais a sério do que merecem), Douglas Adams expõe suas sacadas não como uma tentativa frágil de sistematizar o mundo, mas sim como o que são: excelentes sacadas.

No final, fica mais do que justificada a enorme quantidade de referências a ele na web (desde a relação entre peixes e o tradutor do AltaVista até o resultado misterioso da calculadora do Google). A edição tem preço acessível, e a qualidade (papel, tradução) no geral não decepciona. É o prieiro de uma série (e não dá pra saber se os outros serão lançados), mas pode ser lido sozinho sem maiores problemas.

Descendo as cataratas de barril

27 Aug 2004 | Comments

dúzias de guardas descendo as cataratas de barrilTive a oportunidade de assistir novamente ao episódio do Pica-Pau em que ele quer tentar descer as Cataratas do Niágara de barril (acompanhado da impagável gag dos turistas de capote amarelo fazendo “waaaah”). A maioria dos episódios do Pica-Pau clássico é fortemente inspirada no mundo real, e é fácil ver que este não é diferente, graças a sites como o Daredevils of Niagra Falls.

O site traz uma descrição cronológica detalhada de diversas proezas, de travessias a descidas, sempre envolvendo as cataratas. O mais interessante é que, de fato, vários desafiantes tentaram a descida através de um barril. A primeira a conseguir foi Annie Edson Taylor, que alegava ter 43 anos quando fez a “viagem”, mas há quem diga que ela tinha na verdade SESSENTA e três.

Em qualquer caso, espero ter metade dessa energia quando chegar lá…

Preconceito ou falta do que fazer?

23 Aug 2004 | Comments

Ainda não consigo assimilar essas pessoas públicas que insistem em incomodar quem não está incomodando ninguém. Nos EUA anularam mais de 4000 casamentos homossexuais em uma só canetada. Pra não ficar atrás, um deputado brasileiro quer criar um programa governamental para ajudar as pessoas a deixarem o “hábito homossexual”.

Curioso ele não ter usado a palavra “doença”…

Aos 29 anos, minha primeira vez

22 Aug 2004 | Comments

comemoração de um gol do GrêmioNunca me interessei por futebol, mas a curiosidade científica me levou a aceitar um convite para ver um jogo no Pacaembu e tentar entender (ou ao menos sentir um pouco) a paixão nacional. A experiência está documentada (e fotografada) <a href=”/estadio.htm”l>aqui</a>.

Pindaíba

15 Aug 2004 | Comments

No que se refere às belas-artes, vamos ser honestos: eu sou meio bronco. Feita esta confissão, eu me sinto menos oportunista por gostar daquelas exposições de arte que acontecem no metrô de São Paulo – eu jamais iria sair de casa só para vê-las, e elas costumam tomar os exatos 15 ou 20 minutos que a minha falta de cultura permite.

A última que eu vi mostra as fotografias de Silvestre Silva, que retratam flores e frutos brasileiros pouco conhecidos (particularmente entre criaturas urbanas como eu). A exposição está na estação Vila Mariana até o final do mês.

O que me levou a escrever foi descobrir ali que “pindaíba”, aquela situação que qualquer brasileiro experimentou ou experimentará, é, na verdade, uma fruta (a relação está bem explicada aqui, no final do texto).

Chihiro e bush

13 Aug 2004 | Comments

Nenhum dos dois é exatamente obscuro ou novidade, portanto serei breve: tanto Farenheit 9/11 quanto A Viagem de Chihiro (que assisti e re-assisti, respectivamente, neste fim-de-semana) são tudo o que se diz deles, e até um pouco mais. Recomendo.