chester's blog

technology, travel, comics, books, math, web, software and random thoughts

Mataram o Kenny de vez… bastardos! (ou não?)

02 Apr 2002 | Comments

Dessa vez, mataram o Kenny mesmo. E essa notícia me fez pensar: por que os autores de quadrinhos e desenhos de sucesso precisam tão desesperadamente assassinar suas criações quando estas estão no auge?

Creio que Crumb começou esta onda, ao dar cabo de Fritz. Mas o caso dele é fácil de entender: o personagem estava tomando um rumo muito comercial, ele não curtiu, cortou pela raiz. Não foi o único: o Angeli mandou pro saco a Rê Bordosa na mesma linha de pensamento.

No extremo oposto, temos as editoras que descobriram que é uma boa idéia “matar” personagens quando suas vendas não andam muito boas – vendem-se alguns gibis “a morte do fulano”, “o enterro do fulano”, “a missa de sétimo dia do fulano”, e, claro, “a ressurreição do fulano”. Eventualmente surgem histórias boas (o “fulano” precussor, que todo mundo sabe quem é, foi agraciado com bons roteiros e desenhos, especialmente após a “ressurreição”), mas o golpe de marketing é evidente.

Acho que o caso do Kenny foi uma mistura dos dois: os autores se encheram o saco *e* resolveram chamar a atenção, eventualmente transformando isso em lucro. Como se South Park precisasse… :-)

Bustani: um brasileiro peitando os EUA

19 Mar 2002 | Comments

Sei que é quase chavão afirmar que brasileiro só é patriota em copa do mundo, mas tem horas que o apoio popular aos brasileiros que realmente defendem os interesses da nação (ou mesmo da humanidade) faz muita falta. É o caso do embaixador José Maurício Bustani, que ocupa a secretaria executiva da OPAQ, uma entidade que busca a diminuição das armas químicas no mundo todo.

Eleito (e re-eleito) por voto direto e unânime dos representantes de mais de 140 países, Bustani tem sido extremamente eficiente no seu papel, o que é confirmado pela redução global na produção e armazenamento destas armas nos últimos anos. Apesar disto, os EUA pedem o afastamento de Bustani, sem quaisquer argumentos consistentes.

O motivo real: Bustani está conduzindo as negociações para a retomada das inspeções no Iraque. Isto prejudica os esforços da máquina de propaganda americana de pintar uma imagem de intransigência no país e justificar uma invasão. É bom lembrar que uma ação militar no Iraque não resolveria nenhum problema, seja do Oriente Médio ou do Ocidente, e só servindo para justificar a atitude belicosa administração Bush, já vista por muitos como um dos fatores que causaram o atentado de 11 de Setembro.

Felizmente o Itamaraty parece estar reagindo a favor do embaixador. Resta saber se os países que integram a organização irão ter o bom-senso de refrear os ânimos do cowboy republicano quando o assunto for a voto (as perspectivas são animadoras, mas na hora “H” nunca se sabe).

O chato mesmo é pensar que até Romário teve mais apoio brasileiro lá fora (tanto do povo quanto do presidente) do que Bustani, mesmo considerando que o baixinho incentiva muito mais a discórdia do que a paz…

Repensando o desenvolvimento de software com Joel Spolsky

18 Mar 2002 | Comments

Eu sempre fui contra a idolatria de pessoas, vivas ou mortas, até que conheci o trabalho de Joel Spolsky. Ele já foi desenvolvedor da Microsoft, da Juno e outros lugares interessantes. Hoje Joel tem sua própria empresa, e se tornou o meu guru espiritual quando o assunto é desenvolvimento de software. Não estou falando da parte técnica do assunto (isso já tem ótimos autores), mas sim da parte gerencial, que na maioria das empresas é dilbertiana demais para uma suposta ciência exata…

Em seu site acontecem discussões de altíssimo nível que tentam desmistificar esta mistura bizarra de engenharia e arte, e hoje encontrei um artigo ótimo, meio antigo até, no qual Spolsky defende que o verdadeiro foco de uma empresa de software deve ser “converter talento em código”, e não perder tempo e dinheiro com atividades secundárias. O artigo é indispensável para quem tem qualquer influência gerencial neste processo.

Os técnicos não podem passar sem ler User Interface Design for Programmers, um convite a se repensar a maneira com que as interfaces com o usuário são criadas. Enfim, o site inteiro é ótimo, Joel é meu pastor, nada me faltará!

Lenha na fogueira II

18 Mar 2002 | Comments

Ok, sei que estou exagerando no assunto software, mas este artigo é irresistível por falar algumas verdades para a comunidade “especializada” que insiste em achar que os males do mundo da informática começam e terminam em Redmond…

Oompa, loompa, doom-pa-dee-do…

14 Mar 2002 | Comments

Ainda bem que eu resolvi ser programador – se eu fosse ser roteirista de cinema em Hollywood estaria passando fome, porque agora só se faz refilmagem. Chegou a vez de “A Fantástica Fábrica de Chocolate”, filme obrigatório nas Sessões da Tarde dos anos 80, ao lado de “A Noviça Rebelde”, “Sete Noivas para Sete Rapazes” (ou algo assim) e todos do Jerry Lewis.

Vamos ver o que pode sair disto. Meu maior medo é chamarem o Danny DeVitto para fazer o papel dos Oompa-Loompas (afinal, hoje em dia basta um ator e bastante Control+C e Control+V na edição).

Truco para Windows/Linux

07 Mar 2002 | Comments

Há alguns anos eu comecei a desenvolver um jogo de Truco para Windows. O projeto caminhou bastante, mas nunca tive tempo de acabar.

Como falta pouca coisa, resolvi disponbilizar o código-fonte para que algum programador Delphi ou Kylix que se interesse complete o jogo. Alguém se habilita?

Painstation: errou, apanhou (de verdade)

04 Mar 2002 | Comments

A ilustração aí do lado é o esboço do PainStation, um jogo estilo “pong” criado por dois alemães, no qual cada bola perdida faz o jogador sofrer alguma espécie de punição física na mão que fica sobre a máquina. Estas punições incluem choques, queimaduras, pancadas e afins – cada sensação é causada por um “módulo de execução de dor”, e os rapazes desenvolveram alguns bastante criativos.

O Wired News deu uma boa matéria sobre o assunto, e o site dos caras mostra algumas fotos de gente que saiu bem machucada da brincadeira. Se esse negócio fosse comercializável eu vendia meu Playstation hoje mesmo.

Murad: e tinha outro jeito de pegar ele?

01 Mar 2002 | Comments

Cansei de ver, nos últimos dias, jornalistas e políticos denunciarem o “absurdo” que é o judiciário saber de tanta coisa sobre Jorge Murad e só tomar uma atitude agora. Será que alguém realmente acredita que, sem uma forcinha “lá de cima”, a vida de um genro de coroné como Jorge Murad seria investigada de alguma forma?

Claro que teve influência PSDBista nos eventos da sexta-feira (os quais, vale lembrar, foram o puro e simples cumprimento da lei), mas é o único jeito (fora uma moralização do poder público, que depende do brasileiro acertar a mão no voto) de combater a nefasta influência PFLista que mantém tramóias como as deste cidadão debaixo dos panos.

Catálogo acme

01 Mar 2002 | Comments

Os personagens dos desenhos animados da Warner (e mesmo de outras produtoras) sempre puderam contar com os produtos ACME. E algum doido reuniu todos eles num catálogo que, lamentavelmente, não possui um botão “comprar”. Como vou viver sem a “tinta invisível” ou o “dedão para caronistas”?

A propósito: até hoje não consegui descobrir o que significa ACME – ao menos não como sigla. O verbete acme no Merriam-Webster´s dá “o ponto ou estágio mais alto” ou “aquele/aquilo que representa a perfeição do objeto em questão”. Será que tem a ver?